Vibração Motiva - White.png

Escolha dos Itinerários Formativos

Confira a seguir as ementas das disciplinas eletivas disponíveis nos 4 (quatro) itinerários formativos elencados pelo Colégio Motiva para o 1º Trimestre de 2022.

Após realizar a leitura, faça a sua escolha, considerando que:

 

  • No 2º trimestre, serão disponibilizadas as mesmas disciplinas, de modo que você possa viver a experiência em dois itinerários diferentes. 

  • No 3º trimestre, novas disciplinas serão ofertadas, possibilitando a confirmação das escolhas em relação à trilha escolhida.

  • A confirmação da oferta da disciplina no trimestre será feita após a finalização do prazo de inscrição, desde que o número mínimo de inscritos seja atendido.

Ciências Humanas: O mundo em movimento

Unidade 1: Um dia depois da crise da razão 

A história do pensamento filosófico atesta uma presença constante da dúvida no desenvolvimento de novos saberes. A existência de sentenças, como “só sei que nada sei”, “nada existe”, “e se tudo estiver errado?”, demarcam  momentos em que o próprio conhecimento rompeu sua estagnação. Insurgem na atualidade, para além e aquém das máximas do não saber e das dúvidas da razão, constantes questionamentos ao conhecimento científico e suas metodologias. Nesse contexto, tecnologias emergentes e a facilidade da propagação de informações trouxeram consigo novos desafios para a educação e a cultura, deixando tudo mais insólito e multíplice na valorização e formação do conhecimento. Nesta unidade, abordamos: como o conhecimento questiona a si mesmo na formação de novos saberes e na produção do conhecimento científico, analisando marcos como o paradoxo socrático, o cientificismo e o ceticismo; a importância contemporânea da educação como elemento cultural das sociedades humanas, resgatando marcos históricos e entendendo como as práticas educacionais serviram e servem para diferentes fins; os impactos da produção intencional de falsos saberes e as mais recentes e significativas descobertas em diferentes campos científicos, examinando as perspectivas futuras não concretizadas e as que ainda estão em curso.

Unidade 2: E se a liberdade realmente existir?  

A essência de muitos fatos do passado ainda permanece latente, a Era da Industrialização, a Revolução Francesa, os movimentos de independência na América e a Guerra Fria são alguns dos processos históricos que deixaram marcas na concepção de mundo, no imaginário, na organização e na própria linguagem das sociedades. Notadamente, percebemos como antigas ideologias políticas ainda inflamam processos eleitorais, protestos, dividem nações e acirram relações internacionais. Para além do efeito político, também influenciam concepções econômicas, sociais e legais. Nesta unidade, a liberdade, enquanto condição humana e concepção estudada pelos diferentes ramos das ciências humanas, será palco de estudo e debate, contento: investigação sobre as concepções e consequências de diferentes modelos políticos e econômicos na sociedade, no discurso político contemporâneo e nas pautas sociais em  vigor; análise das principais crises humanitárias contemporâneas, suas raízes históricas e o lugar do Estado em tais contextos.

Unidade 3: A insustentável maneira de ser  

A História atesta que zelar pela qualidade de vida é condição indispensável para a organização e longevidade de qualquer grupo ou sociedade. Oportunizar geração de renda, segurança, lazer, acessibilidade, deslocamento e  redução dos índices de poluição são os maiores desafios no planejamento e replanejamento das cidades. Contudo, a busca por eficiência em infraestrutura não é uma preocupação advinda apenas da modernidade, mas acompanha os  primeiros assentamentos humanos e as primeiras cidades planejadas, desde a Antiguidade, sendo terminante na consolidação e na queda de sociedades, reinos e grandes impérios. Nesta unidade, a trilha de aprendizagem percorre  diferentes estudos geográficos, sociológicos e históricos, promovendo uma análise das diversas questões e saberes envolvidos no planejamento das cidades. Em consonância, a trilha perpassa conceitos e modelos de desenvolvimento  sustentável e economia regenerativa, possibilitando o estudo comparativo entre casos. 

Unidade 4: Para além do humano 

A inclusão é um dos temas mais latentes em nossa sociedade. Percebemos movimentos históricos intensos e diversificados na busca por igualdade de direitos, envolvendo questões raciais, sociais e religiosas. Nesta unidade, o  processo investigativo procura levantar hipótese e entender como as origens e motivações históricas de tais causas contribuem para uma existência ética e participativa, conferindo sua importância para a materialização dos direitos humanos ao longo da evolução da organização social. Por fim, objetivando conglutinar os principais temas modernos e estimular uma metodologia contínua para o estudo de atualidades, a trilha encontra desenlace na pesquisa, análise  de dados e debate sobre o compromisso dos Estados-membros das Nações Unidas com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

earth-4463440-3718748.png

Linguagens e Códigos: Muito além da Influência

Unidade 1: Compre essa ideia 

Sabe-se que os textos publicitários dos mais variados matizes carregam estratégias de convencimento e  persuasão em prol de uma tomada de decisão. Provavelmente, os gêneros textuais do âmbito da publicidade  empregam, de modo mais explícito, expedientes e estratégias argumentativas. Mas como exatamente essas  estratégias são empregadas? E será que elas são reproduzidas em textos não publicitários? A finalidade desta unidade é demonstrar como a argumentação se constrói na publicidade e extrapola as fronteiras do vender para  se instalar em nossa comunicação cotidiana. Afinal, a publicidade é apenas uma das muitas formas de influenciar.

Unidade 2: Se está na internet é verdade  

A internet modificou vários comportamentos sociais, em especial, a maneira como realizamos pesquisas de  informações e compartilhamos notícias. Existe a sensação de que, com o acúmulo de dados e seu compartilhamento  em escala, conseguimos nos tornar mais bem informados sobre os acontecimentos sociais. Entretanto, muito se  tem questionado sobre a validade das informações disponíveis e veiculados no ambiente on-line. Esta unidade  propõe um mergulho na rede mundial de computadores analisando seu propósito e o daqueles que a alimentam.  Serão analisados também o surgimento e o impacto das fake news e estratégias de curadoria da informação.

Unidade 3: Argumentação invisível  

Os influenciadores conquistaram bastante espaço na sociedade atual e vivenciam uma constante cobrança  para produzir conteúdo relevante, pois, no mundo digital, perder seguidores pode ser tão fácil quanto ganhá-los.  Nesse novo contexto de influência e influenciadores, novos comportamentos são usados como estratégia argumentativa, redimensionando a dinâmica de persuasão clássica dos gêneros publicitários. A finalidade desta  unidade é aprofundar a reflexão sobre o papel dos influenciadores digitais na vida cotidiana e os impactos gerados  por eles na comunicação e argumentação atuais. 

Unidade 4: Você está na Matrix

"Acorde. Há um mundo inteiro encoberto pelas ideias incríveis que você pensa serem verdade. Um mundo  de engrenagens ocultas que energizam todo esse sonho." Esses são os pontos de partida comuns para várias  histórias distópicas, aquelas que mostram a realidade dura de um possível futuro da humanidade. E, não raro, o  controle dos meios de comunicação exerce um papel fundamental nessa realidade, como mostram os cenários de  romances como Jogos Vorazes e filmes como Matrix. Nesta unidade, será estabelecida uma relação entre os futuros  distópicos previstos por escritores e cineastas, os meios de comunicação de massa e o papel do leitor como agente  de transformação da realidade. Ou não seria a verdade apenas questão de imaginação?

arte-blogpost-1-p7ni13ithcqbf9rr7z4yrlkl45to8kgtt8na0cydgs.png

Ciências da Natureza: Ambiente-se!

Unidade 1: O início da construção: reunindo ferramentas 

Os ambientes são organizações complexas e agregam diferentes tipos de componentes e aspectos: biológicos, químicos, físicos, geográficos, históricos, geológicos, climáticos, sociais, culturais, políticos, econômicos entre outros. A compreensão das questões ambientais exige, portanto, um olhar que integre os campos de conhecimento e que permita reconhecer os aspectos peculiares a cada ambiente e à(s) sociedade(s) humana(s) que dele faze(m) parte. Para enfrentar toda essa sofisticação teórica, esta trilha de aprendizagem propõe um caminho acessível para que os jovens alunos compreendam os problemas ambientais e participem da busca por suas soluções. Nesta primeira unidade, esse caminho pedagógico aborda ideias centrais na educação ambiental: os conceitos de ambiente e de natureza, além da compreensão que a diversidade, seja biológica, sociocultural ou étnica, é típica da Terra e possui valor intrínseco, por isso precisando ser protegida. 

Unidade 2: O que não ajuda, atrapalha  

Entre os componentes ambientais, o ser humano e as modificações causadas por suas atividades e modos de vida têm contribuído para alterações em elementos vivos e não vivos de grande impacto sobre a estrutura e a organização dos ambientes da Terra. Entre essas atividades, quatro possuem maior relevância como causas de problemas ambientais: a busca pelo contínuo crescimento econômico, a crescente produção industrial, a produção agrícola  baseada em latifúndios de pecuária de corte ou monoculturas e o extrativismo mineral. Nesta unidade, são trabalhados aspectos centrais dos problemas associados a essas práticas e estudos de caso que permitem sua compreensão.

Unidade 3: Novas ferramentas  

Novas questões ambientais são abordadas nesta unidade e, a partir delas, são apresentadas outras ferramentas teóricas, fundamentais para a educação ambiental: a relação entre conservação ambiental e saúde humana, a  justiça ambiental e a instrumentalidade de ideias filosóficas – especialmente, o princípio da responsabilidade, de Hans Jonas, e o especismo, na formulação de Peter Singer – no enfrentamento dos problemas. A partir da construção de  conhecimento sobre essas questões, os alunos são levados a refletir sobre escolhas cotidianas e seus impactos sobre outros seres vivos. 

Unidade 4: Mãos à obra

De posse do conhecimento de problemas ambientais e de ferramentas teóricas para buscar soluções, os alunos e alunas são apresentados a modos e exemplos de ações que já se mostraram favoráveis ao bem-estar humano e aos cuidados  com outros componentes ambientais: práticas agrícolas que não são usuais no agronegócio tradicional, criação de unidades de conservação, o bem-viver (inspirado em povos originários andinos e na etnia guarani) e a organização em  coletivos.

globo-ecologia-300x300.png

Matemática: Fechando a Conta

Unidade 1: Consumista, eu?

É comum o desequilíbrio orçamentário e os problemas com endividamento começarem pelo consumo  descontrolado e pelo mau uso do crédito. Consumir de maneira consciente e responsável, por outro lado, é  uma estratégia que ajuda a evitar problemas financeiros, contribui para melhorar a qualidade de vida e para  a sustentabilidade do planeta. Por isso, nesta unidade, são abordados aspectos do consumo, apresentando  princípios e instrumentos para otimizar os gastos e o orçamento pessoal.  

Unidade 2: Quem quer dinheiro?  

Ganhar dinheiro é algo que motiva muita gente. Mas, obviamente, não é fácil! E por que alguns  profissionais ganham mais dinheiro do que outros? Alguns dos fatores que influenciam nessa situação passam  pelas escolhas feitas ao longo da vida, mas existem muitos outros, inclusive as formas de remuneração escolhidas ou conquistadas. Conhecer as características de várias alternativas pode auxiliar nessas escolhas.  Assim, nesta unidade, são abordadas alternativas de remuneração para o trabalho e para o capital, ponderando  vantagens e desvantagens comparativas entre eles. 

Unidade 3: Os dois lados da moeda  

Toda moeda tem dois lados. Falando literalmente de moeda, de dinheiro, estar em um ou outro lado,  de quem toma dinheiro emprestado ou de quem investe, faz muita diferença. O dinheiro tem custo no  tempo, aquilo que se chama juros, a remuneração do próprio dinheiro. O uso da matemática financeira, como  instrumento de compreensão dos impactos que essa diferença faz ao longo da vida, pode ajudar a tomar  decisões e motivar hábitos saudáveis na gestão das finanças pessoais. Por isso, esta unidade tem maior ênfase  no uso da Matemática a favor das finanças pessoais. 

Unidade 4: Fechando a conta 

Um dos atrativos da educação financeira é que tudo o que se aprende tem possibilidade de aplicação  prática na vida. Nesta unidade, os estudantes têm a oportunidade de refletir sobre o que foi visto nas unidades anteriores e definir estratégias, baseadas em posturas, atitudes e valores, que farão diferença em seus projetos  de vida. 

money-3597246-3010226.png